Corrida das Atualizações Android: Uma Batalha de Longo Prazo

Nos últimos anos, temos assistido a várias competições tecnológicas no mundo dos smartphones. Quem oferece a carga mais rápida, quem tem a câmara com mais megapixels, quem tem o ecrã mais curvado o Motorola Edge parece levar a taça neste último requisito. No entanto, uma competição que se revela verdadeiramente útil a longo prazo é a do suporte ao telemóvel, com vários fabricantes a competir para ver quem oferece mais atualizações Android.

Fairphone liderava a corrida com um plano que ninguém conseguia igualar, mas a Samsung decidiu entrar no jogo e passou de cinco para sete anos de atualizações com os Galaxy S24. Google também não ficou para trás e anunciou sete anos de atualizações para o Pixel 8 Pro. No entanto, a OnePlus decidiu não entrar nesta batalha e o seu presidente explica porquê: devemos ver o nosso telemóvel como um sanduíche.

O software pode aguentar, mas o hardware pode não estar à altura. Em Janeiro, a OnePlus apresentou o OnePlus 12 e o OnePlus 12R, sendo a primeira geração destes dispositivos R lançada fora da Índia ou China. Estes são telemóveis com um grande equilíbrio e o OnePlus 12 apresenta-se como um dos mais interessantes do ano, graças às suas especificações e ao bom trabalho que temos visto recentemente com o OnePlus Open e o OnePlus 11. No entanto, um dos pontos mais interessantes era conhecer o suporte de actualizações de Android.

Face aos movimentos da Samsung e Google, seria de esperar que o resto das marcas seguisse o mesmo caminho, já que isso beneficiaria os seus utilizadores. No entanto, a OnePlus anunciou cinco anos de suporte para os seus novos telemóveis (quatro anos de actualizações de Android e um adicional de segurança). A explicação do seu presidente, Kinder Liu, é interessante: “Imagina que o teu telemóvel é um sanduíche. Alguns fabricantes dizem que o recheio do sanduíche (o software) continuará bom para comer durante sete anos. O que não estão a dizer é que o pão pode ter bolor após quatro anos. Uma política de actualizações de software de sete anos não importa, pois o resto da experiência com o telemóvel será terrível”.

Liu afirma que oferecer mais anos quando o hardware não pode acompanhar é um erro. Além disso, ele aponta algo interessante: “Quando os nossos concorrentes dizem que a sua política de software durará sete anos, lembra-te que a bateria do telemóvel pode não durar tanto”.

Por outro lado, há aqueles utilizadores que compram um telemóvel de 600, 800 ou 1000 euros e querem que este dure até que se avarie. Se tiverem todo o seu ciclo de vida, ou a maior parte dele, com a última versão do sistema, isso é uma forma de fidelizar e de dar valor ao utilizador. Além disso, resta ver como chegarão os telemóveis lançados agora a 2030 e como será a versão do sistema que obterão.

Fonte: tomsguide

Exit mobile version